Assassinatos Na Academia Brasileira De Letras

Capa do livro

Assassinatos Na Academia Brasileira De Letras

Em seu terceiro livro, Jô apostou novamente na multiplicidade de gêneros que lhe abriu o reconhecimento internacional como escritor em 'O Xangô de Baker Street' e 'O homem que matou Getúlio Vargas'. O humor lhe serve de ferramenta para refletir sobre tudo. A vereda policial é a linha mais óbvia, mas não se trata de uma ação ao estilo clássico. Jô reconstrói o Rio em 1924 e se interessa não só pelos seus grandes prédios, como o Petit Trianon, no Castelo, que tinha acabado de ser presenteado aos imortais pelo governo da França, como vai alinhavando a trama com detalhes de uma pesquisa histórica saborosa. Quem é o assassino? Quem inventou jeito tão diabólico de maldade? A trama é simples. Imortais da Academia Brasileira de Letras vão morrendo em cartões-postais do Rio. Sem sangue. Estrebucham aparentemente do nada. No bondinho do Corcovado, no altar da igreja da Candelária. A brincadeira proposta por Jô é fazer com que o leitor, no meio de várias pistas, descubra qual é a verdade e identifique o criminoso. Em alguns momentos, é um livro dentro do livro, pois há um imortal que também escreveu 'Assassinatos na Academia Brasileira de Letras'. Tudo é possível. Afinal, do jeito que Jô perfila seus personagens, todo imortal tem algum motivo para querer que a vida de seu colega não seja tão duradoura assim.

Ficha Técnica
Autor: 
Gêneros: 
Número de páginas: 
256
ISBN: 
9788535906172
Ano da edição: 
2005
Idioma: 
Português Brasileiro
Ações
Avaliação: 
0
Sem votos

Comentários

Resenhas
Nenhuma resenha enviada até o momento. Se você já tem cadastro no site envie uma resenha pela aba "Fazer resenha" acima.